Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
VARIABILIDADE PATOGÊNICA E MOLECULAR DE ISOLADOS DE Fusarium oxysporum f.sp. passiflorae ASSOCIADOS AO MARACUJAZEIRO
Thalita Neves Marostega, Antonio Marcos Chimello, Isabela Vera dos Anjos, Leonarda Grillo Neves

Última alteração: 18-10-18

Resumo


O cultivo do maracujá azedo, Passiflora edulis, vem crescendo a cada ano no Brasil, ocupando uma posição de destaque na fruticultura tropical. O estado de Mato Grosso é o maior produtor da região Centro Oeste, configurando uma produção de 7.779 toneladas em uma área cultivada de 464 hectares. Contudo, para que haja uma expansão do cultivo de maracujazeiro no Brasil e em especial no estado de Mato Grosso são necessárias medidas de controle à problemas fitossanitários que prejudicam seriamente essa cultura. O objetivo desse trabalho foi realizar a caracterização molecular e da agressividade de isolados de F. oxysporum f.sp. passiflorae coletados nos biomas Pantanal, Cerrado e Amazônia, selecionando os isolados mais agressivos para o uso em programas de melhoramento genético visando a resistência à Fusariose. Sendo assim, selecionou-se o acesso de P. edulis UFV50 para receber o inóculo de F. oxysporum f.sp. passiflorae, send produzidos clones genéticos de apenas uma planta desse acesso que pertence Banco Ativo de Germoplasma da UNEMAT. Para inoculação dos isolados utilizou-se o método de raízes lavadas. As mudas foram retiradas das bandejas e as raízes lavadas em água destilada, em seguida as raízes foram cortadas com o auxílio de uma tesoura estéril e imersas em 100 mL de suspensão de conídios em potes plásticos de 400 mL (a raiz ficou na suspensão durante 24 horas). Avaliou-se o período de sobrevivência (período em dias da inoculação até a morte das plantas) e números de plantas vivas. A caracterização molecular dos isolados procedeu-se por meio do sequenciamento parcial do espaçador interno transcrito (ITS) da região do rDNA. As sequências obtidas foram editadas e alinhadas no programa BioEdit (Hall, 1999) e posteriormente comparadas com sequências existentes no banco de dados do GenBank usando o programa BLAST do NCBI. Conforme a dispersão gráfica obtida por meio das características de agressividade foram formados três grupos. O terceiro grupo alocou somente o isolado UNEMAT 22, sendo este o mais agressivo o que apresentou sintomas mais precoces nas estacas de P. edulis além de proporcionar a morte de todas as estacas até o 17º dia após sua inoculação. A árvore filogenética baseado no método de Neighbor-Joining produziu três grupos, o primeiro grupo foi formado pelos isolados UNEMAT 3, UNEMAT 22 e UNEMAT 13, sendo o primeiro isolado pertencente ao bioma Cerrado e os dois últimos isolados ao bioma Amazônia. O Segundo grupo foi formado pelos isolados UNEMAT 9 e UNEMAT 6 que são respectivamente dos biomas Cerrado e Amazônia. E por último o terceiro grupo constituído por apenas um isolado, UNEMAT 5, que pertence ao bioma Pantanal. Os resultados obtidos indicam a necessidade de considerar a variabilidade molecular e da agressividade dos patógenos de F. oxysporum f.sp. passiflorae, na avaliação de genótipos de maracujazeiro azedo em programas de seleção de cultivares resistentes.

Palavras-chave


Passiflora, Fusariose, Patógeno.