Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
USO DO JOGO HOSPITAL MIRIM E SUA CONTRIBUIÇÃO NO ENFRENTAMENTO AO PROCEDIMENTO INVASIVO
Kamilla Furtado Regatieri, Tatiane Lebre Dias, Alice Marchett

Última alteração: 05-10-18

Resumo


O presente trabalho é resultado preliminar do projeto de Mestrado em Psicologia desenvolvido no Hospital Universitário Júlio Müller em Cuiabá/MT. A pesquisa tem por objetivo investigar o uso do jogo digital Hospital Mirim como estratégia de enfrentamento ao procedimento invasivo (PI) de coleta de sangue. A criança que passa por internação ou hospitalização pode ter a dor causada pela própria doença, pelo tratamento, pelos procedimentos invasivos, podendo desenvolver comportamentos como medo, estresse e ansiedade. A utilização de atividades lúdicas nesse contexto visa minimizar os efeitos dos processos dolorosos, desenvolvendo processos de ludicidade, aprendizagem, recreação e distração, considerados estratégias de humanização para o contexto hospitalar. Participaram do estudo 40 crianças com idade entre seis e dez anos, sendo 20 do grupo controle (passaram pelo jogo após a coleta) e 20 do grupo experimental (passaram pelo jogo antes da coleta), sorteadas aleatoriamente. Foram utilizados os seguintes instrumentos: a) para avaliação da percepção de dor a Escala Facial de Dor Revisada - Faces Pain Scale-Revised (BIERI et al., 1999), com tradução e adaptação para o português brasileiro por Poveda et al. (2001). A escala é composta por figuras de faces que apresentam diferentes intensidades para a dor, sendo avaliadas de 0 (sem nenhuma dor) até 10 (com muita dor ). A escala foi aplicada antes e após o procedimento invasivo para as crianças do GE e GC; b) para a avaliação do jogo como estratégia de enfrentamento foram realizadas entrevistas semi-estruturadas antes e após o procedimento; c) Jogo digital Hospital Mirim. Os resultados indicam: a) a maior parte das crianças avaliaram que o jogo auxiliou muito no procedimento invasivo, pois ensinou o que aconteceria na sua coleta e contribuiu para diminuição da ansiedade, pois sabiam o que e a forma como iria acontecer a coleta de sangue; b) o GC que passou pelo jogo depois do procedimento avaliou que se tivessem jogado antes poderia ter ajudado mais no momento do procedimento; d) na escala de dor o GE apresentou uma intensidade menor de dor durante  (85 durante e 18 após)e após o procedimento invasivo comparado ao GC (98 durante e 50 após). Diante dos resultados é possível inferir que o Jogo Hospital Mirim utilizado como uma estratégia de enfrentamento facilitou no procedimento de coleta de sangue das crianças e, também, na percepção da dor nos momentos relacionados à coleta de sangue. O uso de jogos digitais em contexto de saúde permite um envolvimento da criança com situações adversas (a exemplo a coleta de sangue), minimizando o sofrimento psíquico, proporcionando qualidade de vida.


Palavras-chave


Jogo hospital mirim; Procedimento invasivo, Dor.