Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Estudo Fitoquímico das cascas das raízes de Terminalia argentea (Combretaceae) Mart & Zucc
Isabella Adjany Sella Silva, Luís Teylon Xavier Machado goulart Soares, Tereza Auxiliadora Nascimento Ribeiro

Última alteração: 16-10-18

Resumo


A espécie Terminalia argentea é popularmente conhecida como capitão-do-mato, capitão ou pau-de-bicho e pode ser encontrada em diversos biomas brasileiros como Pantanal, Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica. É pertencente à família Combretaceae, sendo o gênero Terminalia um dos mais vastos a família com uma grande variedade de metabólitos especiais relatados, principalmente compostos fenólicos como flavonóides, lignanas, ácidos fenólicos, chalconas, e taninos e seus derivados. A escolha desta espécie para estudo se deve ao fato da mesma ter indicação popular (diabetes e inflamação) na região Centro-Oeste, ser de ocorrência no Pantanal matogrossense e apresentar apenas dois estudos fitoquímicos da casca do caule e das folhas descritos na literatura. O material foi coletado na região de Santo Antônio do Leverger- MT e o extrato bruto hidroalcoólico (EBEtOH) da casca da raiz de Terminalia argentea (219,00 g) foi obtido por maceração com etanol. O EBEtOH (51,1278 g) foi suspenso em MeOH/H2O (8:2) e submetido a partição líquido-líquido com hexano, clorofórmio e AcOEt, obtendo-se as respectivas frações FHex, FCHCl3 e FAcOEt. A FCHCl3 (8,7 g) foi submetida a fracionamento através das técnicas de Cromatografia Clássica, com sílica gel e eluída gradiente de polaridade dos solventes hexano, clorofórmio e metanol. Assim, foram isoladas 3 substâncias, F53, F66 e F98, sendo F53 e F66  com apresentação de precipitado amorfo, solúveis em dimetilsulfóxido e a F98 apresentada como sólido cristalino, solúvel em dimetilsulfóxido. As amostras F53 e F66 foram encaminhadas para análises espectroscópicas em RMN 1H e 13C na central de análises da UFSCar e, a F98 no laboratório de Produtos Naturais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Já as análises de infravermelho (IV) foram feitas na Central Analítica de Produtos Naturais. O espectro de IV apresenta bandas características de carbonila e hidroxila. Os espectros de RMN apresentam sinais característicos de substâncias aromáticas glicosiladas que somadas ao espectro de IV, nos permite inferir que as substâncias são derivadas do ácido elágico, ligadas à uma unidade de glicosídica, sendo esta possivelmente, uma unidade de ramnose, entretanto, as estruturas estão em fase de conclusão da proposta estrutural.


Palavras-chave


Estudo Fitoquímico, Terminalia argentea, Combretaceae

Referências


Araújo, D. S., Chaves, M. H. Triterpenóides pentacíclicos das folhas de Terminalia brasiliensis. Quim. Nova, 28 (2005), 996-999.

Garcez, F. R., Garcez, W. S.,Martins, M., Lopes, F. A. Triterpenoids, lignan and flavans from Terminalia argentea (Combretaceae). Bioch. System. and Ecol., 31 (2003), 229-232.

Moulisha, B., Kaushik, B., Karan, T. K., Bhattacharya, S., Ghosh, A. K. Haldar, P. K. Evaluation of analgesic and anti-inflammatory activities of Terminalia arjuna leaf. J. of Phytology, 3 (2009), 33-38.

BIESKI, I.G.C; SANTOS, F.R; OLIVEIRA, R.M; ESPINOSA, M.M; MACEDO, M; ALBUQUERQUE, U.P; MARTINS, D.T.O. Ethnopharmacology of Medicinal Plants of the Pantanal Region (Mato Grosso, Brazil). Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, p.1-36, 2012.