Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Níveis de energia metabolizável e lisina digestível para codornas japonesas em fase inicial de produção criadas em estresse térmico
Tatiane da Silva Fonseca, Ana Paula Silva Ton, Carolina Pereira Rodrigues, Henrique Campos Souza, Andressa Alves Osório, Harrison Soehn Ferreira, Tatiane de Souza

Última alteração: 16-10-18

Resumo


Devido ao expressivo aumento da população e da economia mundial, o desejo do consumidor por alimentos de origem animal de qualidade, fez com que a coturnicultura se tornasse uma atividade altamente promissora no país. Apesar do seu baixo custo de implementação e mão de obra, o custo com a alimentação é o fator que mais onera a produção animal. Um dos aspectos mais importantes na formulação da ração é o conhecimento do conteúdo energético e proteico dos ingredientes que compõe a ração. Os ingredientes energéticos constituem a maior parte da ração, elevando os custos. Diante disso estudos têm sido realizados com o intuito de avaliar planos nutricionais de alimentação visando os melhores níveis de energia e proteína das rações associados com o menor custo que atendam às exigências nutricionais das codornas. Assim, objetivou-se avaliar os níveis de energia metabolizável (EM) e lisina digestível (LD) sobre o desempenho produtivo e qualidade de ovos de codornas japonesas em fase inicial de postura criadas em estresse térmico. Foram utilizadas 780 codornas japonesas distribuídas em delineamento inteiramente casualizado, sob esquema fatorial 3x4 (EM = 2.600, 2.850 e 3.100 Kcal/kg de ração e LD = 0,90, 1,05, 1,20, 1,35%), totalizando 12 tratamentos com 5 repetições e 13 aves por unidade experimental, em galpão com temperatura média de 26ºC. O experimento teve duração total de 112 dias, fracionados em 4 ciclos de 28 dias, no qual eram realizadas as análises de desempenho e qualidade interna e externas dos ovos ao final de cada ciclo produtivo. Os dados coletados serão analisados por meio do programa estatístico SISVAR. As variáveis de desempenho das aves (peso, corporal (g), consumo de ração (g/ave), conversão alimentar (g/g e Kg/dz), consumo de energia metabolizável (Kcal/dia), consumo de lisina digestível (mg/dia), massa de ovos (g/dia), porcentagem de postura (%) e ovos viáveis para comercialização (%) e de qualidade físico-química dos ovos (peso do ovo (g), gravidade específica (g/cm3), porcentagem de gema, albúmen e de casca (%), pH do albúmen, colorimetria das gemas e Unidade Haugh) serão relevantes para estabelecer quais níveis de EM e LD serão os mais adequados para atender as exigências de codornas japonesas criadas em estresse térmico e com o menor custo de produção. Contudo, sabe-se que na dieta das aves a EM regula o consumo de ração e a LD participa de processos metabólicos importantes para a deposição de proteína nos ovos, no entanto, para codornas criadas em estresse térmico  poderá ser apresentado uma possível estimativa que ainda não foi consolidada.


Palavras-chave


Coturnicultura, desempenho, planos nutricionais, qualidade ovos

Referências


ALBINO, L. F.T.; Energia metabolizável de alguns alimentos para aves. Concordia, SC (Brazil). 1987. 2 p.. no. 117.

ALBINO, L.F.T.; BARRETO, S. L. T. Codornas:  criação de codornas para produção de ovos e carne. Viçosa, MG Aprenda Fácil, 2003. 289p

BELLAVER, C.; LUDKE, J. Qualidade E PADROES DE ingredientes para rações. In: Global feed and food fórum, 2005, São Paulo-SP. Anais… São Paulo, 2005, p.192-216.

RIBEIRO, M.L.G.; SILVA, J.H.V.; DANTAS, M.O. et al. Exigências nutricionais de lisina para codornas durante a fase de postura, em função do nível de proteína da ração. Revista Brasileira de Zootecnia, v.32, n.1, p.156-161, 2003.

REIS, L. F. S. D. Codornizes, criação e exploração. Lisboa: Agros, 10, p.222, 1980.

SILVA, J. H. V. da. Tabelas para codornas Japonesas e Européias. Jaboticabal-SP, 2º edição, p. 107, 2009.

SILVA, J.H.V.; SILVA, M.B.; SILVA, E.L. et al. Energia metabolizável de ingredientes determinada com codornas japonesas (Coturnix coturnix japonica). Revista Brasileira de Zootecnia, v.32, n.6, p.1912-1918, 2003.