Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
GÊNERO E CIÊNCIA: ATUAÇÃO FEMININA NA PRÁTICA DOCENTE STRICTU SENSU NA UFMT
Thaina Louise Pinheiro Oliveira, Silvana Maria Bitencourt

Última alteração: 05-10-18

Resumo


O presente projeto busca analisar, a partir dos estudos de gênero, como tem sido construída a atuação das docentes nos programas de Pós-Graduação Strictu Sensu da Universidade Federal de Mato Grosso. Tendo em vista que as desigualdades de gênero vivenciadas no campo acadêmico brasileiro tornaram-se um objeto de pesquisa de diversas pesquisadoras dos estudos de gênero e feministas nos últimos anos, faz-se necessário investigar as estratégias e obstáculos enfrentados pelas professoras da UFMT para alcançarem suas posições na pós-graduação, analisando quesitos de produtividade. Partindo desta perspectiva, será realizado um mapeamento dos programas da UFMT a fim de traçarmos os perfis das docentes mulheres nesses programas buscando identificar as perspectivas e os desafios vivenciados por elas na construção de suas carreiras. Ademais, analisando a relutância de aceitação feminina em determinadas áreas de conhecimento, serão analisados os aspectos das desigualdades evidenciados nestes ambientes. Esta temática se justifica pela necessidade de se explorar como a desigualdade de gênero impacta a ascensão das mulheres na Pós-Graduação, especialmente nas áreas denominadas Hard Sciences (Ciências Duras), que englobam as ciências exatas, como a Física, Matemática e Engenharias. A hipótese trabalhada é de que, às mulheres, virtualmente, são reservados os cursos e programas relacionados ao cuidado e a formação, como Enfermagem, Nutrição e Educação, enquanto que sua participação é minoritária nas ciências duras. A metodologia trabalhada neste projeto terá inicio com a seleção e tratamento de dados estatísticos dos programas de pós-graduação e dos(as) docentes integrantes destes programas. Posteriormente, será definida uma amostra para realização de entrevistas semiestruturadas com mulheres e homens docentes das áreas Hard e Soft Science, de forma a se apurar as características, motivações e obstáculos enfrentados por estes indivíduos, principalmente as mulheres. A elas, historicamente, está vinculada a questão da família, da maternidade e da subordinação a uma figura masculina. Espera-se analisar os novos parâmetros de performances femininas e seu status perante a sociedade e perante o campo acadêmico.

 


Palavras-chave


Mulheres, Ciência, UFMT

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteudo. São Paulo: Edições 70, 2012.

BITENCOURT, Silvana Maria. Existe um outro lado do rio. Um diálogo entre, 2006.

BITENCOURT, Silvana Maria. Maternidade e carreira: Reflexões de acadêmicas na fase do doutorado. Jundiaí: Paco Editorial, 2013

BOURDIEU, Pierre. Conferência do Prêmio Goffman: a dominação masculina revisitada. A dominação masculina revisitada, p. 34-68, 1998.

BOURDIEU, Pierre et al. O poder simbólico. 1989.

BOURDIEU, Pierre. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições, v. 70, p. 15-56, 2004.

CABRAL, Carla Giovana. Pelas telas, pela janela: o conhecimento dialogicamente situado. cadernos pagu, n. 27, p. 63-97, 2006.

CHASSOT, Attico Inacio. A ciência é masculina? é sim, senhora!. Editora Unisinos, 2004.

COLE, Jonathan; ZUCKERMAN, Harriet. Marriage, motherwood and research performance in science. In: Zuckerman, Harriet; Cole, Jonathan; Bruer, John (Ed.). The outer circle: women in the scientific community. New York: W.W. Norton & Company. p.157-170. 1991.

DE VITA, Luisa et Al. Women entrepreneurs in and from developing countries: Evidences from the literature. European management Journal, v. 32, p. 451-460, 2014.

DESLAURIERS, J.-P.; KÉRISIT, M. O delineamento de pesquisa qualitativa. In. POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2012.

FERREIRA, Luiz Otávio; AZEVEDO, Nara; GUEDES, Moema  and  CORTES, Bianca. Institucionalização das ciências, sistema de gênero e produção científica no Brasil (1939-1969). Hist. cienc. saude-Manguinhos [online]. 2008, vol.15, suppl., pp.43-71.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos pagu, n. 5, p. 7-41, 1995.

KELLER, Evelyn Fox; LONGINO, Helen E. (Ed.). Feminism and science. Oxford University Press, USA, 1996.

KELLER, Evelyn Fox; SCHARFF‐GOLDHABER, Gertrude. Reflections on gender and science. 1987.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

LONG, J. Scott. Measures of sex differences in scientific productivity. Social Forces, Chapel Hill, v.71, n.1, p.159-178. 1992.

MELO, Hildete Pereira; OLIVEIRA, André Barbosa. A produção científica brasileira no feminino. cadernos pagu, n. 27, p. 301-331, 2006.

POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2012.

PRIORE, Mary Del. História das Mulheres no Brasil. Contexto. São Paulo, 2000.

ROSSITER, Margaret W. The Matthew Matilda effect in science. Social studies of science, v. 23, n. 2, p. 325-341, 1993

SANTOS, João B. F. dos; OSTERNE, Maria do S. F.; ALMEIDA, Rosemary de O. A entrevista como técnica de pesquisa do mundo do trabalho. In: ALVES, G.; SANTOS, J. B. F. dos (orgs). Métodos e técnicas de pesquisa sobre o mundo do trabalho. Bauru: Canal 6, 2014.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência. Bauru: Edusc, p. 32, 2001.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, Jul./Dez., pp. 71-99, 1995.