Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Avaliação de populações RC1s de Passiflora sp. resistentes a Fusarium oxysporum f.sp. passiflorae
Antonio Marcos Chimello, Isabela Vera dos Anjos, Thalita Neves Marostega, Leonarda Grillo Neves

Última alteração: 18-10-18

Resumo


O maracujá-azedo ou amarelo (Passiflora edulis Sims), tem grandes problemas com doenças de solo como a Fusariose, doença causada por um fungo de solo (Fusarium oxysporum f.sp. passiflorae), dessa forma, a melhor maneira de combater esse problema é a introdução de genes resistentes a cultura do maracujazeiro, através de cruzamentos da espécie Passiflora edulis Sims com espécies silvestres como Passiflora nítida, que além de rústica, possui boa resistência a doenças do solo. Diante disso, o objetivo do trabalho é avaliar a resistência de populações RC1 de Passiflora sp. obtidos por meio de retocruzamento entre Passiflora edulis Sims x Passiflora nítida resistente a doença Fusriose. O trabalho foi desenvolvido na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), Primeiramente foi realizado em casa de vegetação a produção de mudas da geração F1 de Passiflora sp., resistente a F. oxysporum f. sp. passiflorae e F. solani, resultado do cruzamento de meio-irmãos entre a espécie resistente Passiflora nítida e Passiflora edulis Sims, com o objetivo de recuperar o genótipo do genitor recorrente (P. edulis Sims), após a produção da progênie F1, foi realizado o retrocruzamento com o P. edulis Sims. Em seguida foi realizado o teste de resistência em três populações RC1s, na população F1, na espécie resistente Passiflora nítida, e em duas testemunhas de Passiflora edulis Sims, uma com inóculo e outra sem inóculo, foi realizado a metodologia de raízes lavadas, onde as plantas foram retiradas das bandejas, o sistema radicular lavado em água destilada e partes das raízes foram cortadas com o auxílio de uma tesoura estéril, em seguida, as raízes foram imersas em 35 mL de suspensão de conídios com a concentração ajustada para 1x106 esporos mL-1, a raiz ficaram imersas na suspensão durante 24 horas, o trabalho foi avaliado durante 34 dias quanto ao período em dias da inoculação até a morte das plantas (PDS) e números de plantas vivas (NPV). Os dados das características de resistência foram submetidos à análise de variância e testado a significância pelo teste F, as medias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5 % e pela dispersão gráfica. A análise de variância foi significativa para as duas características avaliadas, pelo teste de Tukey as 3 populações de RC1s foram superiores aos demais tratamentos com 34 PDS e 100% das plantas continuaram vivas ate o fim do experimento, seguidos pelo Passiflora nítida 33,22 dias PDS e 2,66 NPV, testemunha sem inóculo 30,99 dias de PDS e 2 de NPV, F1 com 23,88 de PDS e 1,3 de NPV e por último a testemunha com inóculo que apresentou 21 dias PDS e 0% de NPV. A dispersão gráfica apresentou a formação de três grupos, o primeiro grupo (mais resistentes) foi formado 5 tratamentos, os três RC1s, o Passiflora nítida e a testemunha sem inóculo, o segundo grupo foi formado pelo F1 e o ultimo grupo (menos resistente) foi formado pela testemunha com inóculo.


Palavras-chave


Maracujazeiro; Fusariose; Melhoramento Genético Vegetal

Referências


LOPES, S. C. Citogenética do maracujá, Passiflora spp. In: SÃO JOSÉ, A. R.  A cultura do maracujá no Brasil. Jaboticabal: FUNEP. 1991, p. 201-209, 1991.

ABF, Anuário Brasileiro de Fruticultura, Michelle Treichel ... [et al.]. Santa Cruz do Sul: Editora Gazeta Santa Cruz, 2016. 88 p.: il.

VIANA, F. M. P.; FREIRE, F. das C. O.; CARDOSO, J. E.; VIDAL, J. C. Principais Doenças do Maracujazeiro na Região Nordeste e seu Controle. Fortaleza: Embrapa, 2003. 12 p. (Comunicado Técnico 86).

INDEX FUNGORUM, 2013. Disponível em: < http:// www.indexfungorum. Org /names /Names Record.asp?RecordID=346809 >. Acesso em: 11 de agosto de 2018.

FISCHER, I. H.; LOURENCO, S. A.; MARTINS, M. C.; KIMATI, H.; AMORIM, L. Seleção de plantas resistentes e de fungicidas para o controle da podridão do colo do maracujazeiro causada por Nectria haematococca. Fitopatologia Brasileira, Lavras, v.30, n.3, p.250-258, 2005.