Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Avaliação do tratamento da Tuberculose e do HIV em indivíduos privados de liberdade, Penitenciária Central, Cuiabá - MT
Solange de Morais Solange Montanha, Clovis Botelho

Última alteração: 08-10-18

Resumo


INTRODUÇÃO: A tuberculose e o HIV são graves problemas de saúde pública mundial e milhares de pessoas ainda adoecem e morrem devido à estas doenças e suas complicações. Dentre os diversos grupos mais vulneráveis, destaca-se a população privada de liberdade, que normalmente vive em celas lotadas, mal ventiladas, usuários de drogas e com acesso limitado aos cuidados de saúde, torna-se vulnerável ao desenvolvimento destas morbidades. OBJETIVO: Analisar a efetividade do tratamento da tuberculose e do HIV numa população privada de liberdade. MÉTODOS: Estudo prospectivo, de coorte aberto e transversal concomitantes, entre os indivíduos encarcerados da Penitenciária Central do Estado de Mato Grosso, com 2128 participantes. Os dados serão coletados através de questionário estruturado de toda a população privada de liberdade na Penitenciária Central do Estado de Mato Grosso em Cuiabá - MT, de janeiro a dezembro de 2019. Utilizaremos três métodos distintos para diagnosticar os casos de TB pulmonar: radiografia de tórax, baciloscopia/cultura e Gene Xpert. Para diagnóstico de HIV será utilizado o teste rápido. Adicionalmente, os indivíduos que forem diagnosticados com tuberculose ativa e/ou infecção pelo HIV no estudo transversal serão avaliados quanto ao tratamento realizado durante o encarceramento. Os instrumentos a serem utilizados na avaliação e acompanhamento das coortes de tratamento serão os prontuários médicos do estabelecimento penal, resultados de baciloscopia e Raio X de tórax para tuberculose e carga viral e CD4 para HIV. Também serão utilizadas as informações contidas no Sistema Nacional de Informação de Pacientes com HIV (SISCEL) dos anos de 2019 e 2020. As variáveis explicativas analisadas serão as sociais e demográficas (idade, escolaridade, raça/cor, situação conjugal e religião), tempo prévio no sistema carcerário e variáveis de diagnóstico e acompanhamento dos tratamentos de TB e HIV (cultura microbiológica para identificação de tuberculose droga resistente, carga viral do HIV e contagem de linfócitos CD4). Realizar-se-á análise descritiva, bivariada, análise de sobrevida e Regressão de Cox, tendo como medida de associação Riscos relativos e seus Intervalos de Confiança, considerando-se para significância estatística p < 0,05. RESULTADOS ESPERADOS: Contribuição para o SUS através da obtenção de respostas que cobrirão lacunas importantes no rastreamento de casos de TB e HIV bem como a melhoria das políticas de controle dessas doenças infecto contagiosas nas prisões. Também espera-se contribuir para o fortalecimento da capacidade local de se lidar com doenças infecciosas em populações mais vulneráveis como a privada de liberdade.

Palavras-chave


Tuberculose, HIV, Tratamento Farmacológico, População Privada de Liberdade.

Referências


  1. Akbari M, Naghibzadeh-Tahami A, Joulaei H, Nasiriyan M, Hesampour M, Bagheri-Lankarani K. Prevalence of HIV/AIDS among Iranian Prisoners: A Review Article. Addict Health. 2016; 8(3): 195-206.
  2. Altice F, Azbel L, Stone J, Brooks-Pollock E, Smyrnov P, Dvoriak S, et al. The perfect storm: incarceration and the high-risk environment perpetuating transmission of HIV, hepatitis C virus, and tuberculosis in Eastern Europe and Central Asia. Lancet. 2016; 388(10050): 1228-1248.
  3. Andrews JR, Basu S, Dowdy DW, Murray MB. The epidemiological advantage of preferential targeting of tuberculosis control at the poor. The international journal of tuberculosis and lung disease: the official journal of the International Union against Tuberculosis and Lung Disease. 2015; 19(4): 375-380.
  4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação de Saúde no Sistema Prisional. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Coordenação de Saúde no Sistema Prisional. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.
  5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Plano nacional pelo fim da tuberculose / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.
  6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Plano nacional pelo fim da tuberculose. Brasília: MS; 2017.
  7. Heijnen M, Mumtaz GR, Abu-Raddad LJ. Status of HIV and hepatitis C virus infections among prisoners in the Middle East and North Africa: review and synthesis. J Int AIDS Soc. 2016; 19(1): 20873.
  8. INFOPEN.  Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Atualização - Junho de 2016. Ministerio da Justiça e Segurança Pública, Departamento Penitenciário Nacional. Brasilia, 2017. 65 p.
  9. Rubenstein LS, Amon JJ, McLemore M, Eba P, Dolan K, Lines R, et al. HIV, prisoners, and human rights. Lancet. 2016; 388(10050): 1202-1214.
  10. Sánchez AR, Huber FD, Massari V, Barreto A, Camacho LAB, Cesconi V, Saad MH, Larouzé B. Extensive Mycobacterium tuberculosis circulation in a highly endemic prison and the need for urgent environmental interventions. Epidemiol. Infect. 2012; 140(10): 1853-1856.
  11. UNAIDS report on the global AIDS epidemic 2013 (Geneva: UNAIDS).
  12. Workowski KA. Centers for Disease Control and Prevention Sexually Transmitted Diseases Treatment Guidelines. Clin Infect Dis. 2015; 61 Suppl 8: S759-762.