Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Associações genéticas entre Escore de Trato Reprodutivo e características de carcaça em novilhas Senepo
Larissa Carolina Novo, Gilberto Romeiro de Oliveira Menezes, Jośe Antonio Fernandes Junior, Monyka Mariana Massolini Laureano, Claudio Vieira de Araújo

Última alteração: 16-10-18

Resumo


Objetivou-se estimar herdabilidade para escore de trato reprodutivo (ETR) e sua correlação genética com características de carcaça: área de olho de lombo (AOL), espessura de gordura subcutânea (EGS), marmoreio (MAR) e nota de conformação frigorífica (CONF). Foram utilizados registros de 1793 novilhas participantes do Programa Safiras do Senepol, no período de 2009 a 2017. Os animais, que tinham peso mínimo de 250 kg e média de 465 dias de idade no início de cada prova, foram avaliados em confinamento por aproximadamente 90 dias, na fazenda Grama, Pirajuí, São Paulo, Brasil. AOL, EGS e MAR foram mensurados por ultrassom. CF por nota visual de 1 a 6, referente à estrutura, precocidade e musculosidade do indivíduo, sendo maiores notas desejáveis. ETR, com base em exame ginecológico, por nota de 1 a 5, em que 1 = trato reprodutivo imaturo e 5 = atividade cíclica normal, com presença de corpo lúteo. A característica de ETR foi tratada ainda como categórica, em que se ETR=5, então ETR=1, caso contrário ETR=0. Adotou-se modelo animal com efeito fixo de grupo contemporâneo, formado pela edição da prova e fazenda de origem; efeito linear da idade do animal ao início da prova como covariável; além dos efeitos aleatórios genético aditivo direto e residual. Os componentes de (Co)variância foram estimados através de um modelo de limiar multicaracterísticas utilizando o software Thrgibbs1f90. A herdabilidade encontrada para CETR foi de 0.19. As correlações genéticas entre CETR e as demais características foram de 0,40 (AOL), 0,07 (EGS), 0,08 (MAR), -0,20 (CONF). Espera-se boa resposta à seleção ao se adotar o Escore de Trato Reprodutivo como critério de seleção para precocidade sexual. A ETR é favorável a seleção para AOL, mas negativa à CONF e não influenciará a seleção para deposição de gordura subcutânea e intramuscular.


Palavras-chave


critério de seleção, precocidade sexual, qualidade de carne, taurino tropical adaptado