Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
CONTROVÉRSIAS CIENTÍFICAS, PROBLEMAS AMBIENTAIS E EDUCAÇÃO
Jardel Adversi

Última alteração: 15-10-18

Resumo


A pesquisa que estamos desenvolvendo consiste no estudo da construção social dos problemas ambientais, na qual estamos analisando como as controvérsias científicas estruturam essa abordagem no âmbito escolar. Para tanto, buscamos primeiramente aprofundar no entendimento da relação entre conhecimento científico e sociedade a partir da modernidade. No contexto atual, apresentamos a natureza construcionista daquilo que é reconhecido como conhecimento científico, descrevemos as características do discurso científico, as controvérsias e caixas-pretas, e o seu papel na construção de fatos e criação de exigências sociais.A construção das exigências ao redor dos problemas ambientais, aparecem como um objeto muito apropriado para o estudo desse fenômeno científico moderno, uma vez que os problemas ambientais têm origem em uma base científica, mas demandam uma extensa rede de aliados que sejam capazes de expandir as exigências para fora do meio científico, minimizando as controvérsias e alcançando os demais setores da sociedade. Nesse processo, merece grande atenção o papel da escola, uma vez ela proporciona a ocasião, que muitas vezes é única, em que o indivíduo pode ter contato mais próximo com esse mundo da ciência.Buscamos, então, analisar como as controvérsias científicas estruturam as abordagens sobre os problemas ambientais em escolas de Mato Grosso. Para isso, estamos realizando a coleta de dados por meio de entrevistas semi-estruturadas com professores de ciências que trabalham a temática na escola com alunos de ensino fundamental. Uma vez que objetivo dessa abordagem parece ser a propagação de uma exigência ambiental, deve predominar o discurso retórico que se vale de caixas-pretas. Em contrapartida, defendemos que a dialética da controvérsia pode ter um papel de grande importância, sobretudo no processo educacional, fornecendo aos estudantes as ferramentas necessárias para compreenderem com mais clareza o que envolve os problemas ambientais, ao mesmo tempo que o reto entendimento pode orientar a tomada de posições mais eficazes diante da realidade que se apresenta.A pesquisa está em andamento não tendo sido realizada ainda a análise de dados. Atualmente estamos coletando os dados.

A pesquisa que estamos desenvolvendo consiste no estudo da construção social dos problemas ambientais, na qual estamos analisando como as controvérsias científicas estruturam essa abordagem no âmbito escolar. Para tanto, buscamos primeiramente aprofundar no entendimento da relação entre conhecimento científico e sociedade a partir da modernidade. No contexto atual, apresentamos a natureza construcionista daquilo que é reconhecido como conhecimento científico, descrevemos as características do discurso científico, as controvérsias e caixas-pretas, e o seu papel na construção de fatos e criação de exigências sociais.

A construção das exigências ao redor dos problemas ambientais, aparecem como um objeto muito apropriado para o estudo desse fenômeno científico moderno, uma vez que os problemas ambientais têm origem em uma base científica, mas demandam uma extensa rede de aliados que sejam capazes de expandir as exigências para fora do meio científico, minimizando as controvérsias e alcançando os demais setores da sociedade. Nesse processo, merece grande atenção o papel da escola, uma vez ela proporciona a ocasião, que muitas vezes é única, em que o indivíduo pode ter contato mais próximo com esse mundo da ciência.

Buscamos, então, analisar como as controvérsias científicas estruturam as abordagens sobre os problemas ambientais em escolas de Mato Grosso. Para isso, estamos realizando a coleta de dados por meio de entrevistas semi-estruturadas com professores de ciências que trabalham a temática na escola com alunos de ensino fundamental. Uma vez que objetivo dessa abordagem parece ser a propagação de uma exigência ambiental, deve predominar o discurso retórico que se vale de caixas-pretas. Em contrapartida, defendemos que a dialética da controvérsia pode ter um papel de grande importância, sobretudo no processo educacional, fornecendo aos estudantes as ferramentas necessárias para compreenderem com mais clareza o que envolve os problemas ambientais, ao mesmo tempo que o reto entendimento pode orientar a tomada de posições mais eficazes diante da realidade que se apresenta.

A pesquisa está em andamento não tendo sido realizada ainda a análise de dados. Atualmente estamos coletando os dados.


Palavras-chave


Problemas ambientais; Controvérsias; construção social

Referências


AQUINO, Santo Tomás de. Verdade e conhecimento. Tradução, estudos introdutórios e notas de Luiz Jean Lauand e Mario Bruno Sproviero. 2ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Ambivalência. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

BECK, Ulrick. Sociedade do risco.

BERGER, Peter L; LUCKMANN, Tomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1985.

BLOOR, David. Conhecimento e imaginário social. Ed. UNESP. São Paulo, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais das ciências: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. Tradução: Eduardo Brandão. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Ed. Zahar. Rio de Janeiro, 2002.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Ed. UNESP. São Paulo, 1991.

HANNIGAN, John A. Sociologia Ambiental. Ed. Perspectivas Ecológicas. São Paulo, 2009.

JAMES, Willian. Pragmatismo. In: CIVITA, Victor (ed). Os pensadores. Rio de Janeiro: Abril Cultural, 1974.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 13 ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. 2 ed. São Paulo: UNESP, 2011.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LATOUR, Bruno. Para antropólogo, a ideia do "eu" precisa dar lugar à de rede. Revista Valor Econômico. Rio de Janeiro, 07 ago. 2012. Entrevista a Carla Rodrigues.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e Utopia. 4 ed. Ed. Guanabara. Rio de Janeiro, 1986.

MANNHEIM, Karl. Problema de uma sociologia do conhecimento. In BERTELLI, A. R., PALMEIRA, M. G. S., VELHO, O. G. (org.). Sociologia do conhecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

MARROU, Henri-Irénée. História da Educação na Antiguidade. Trad. Mário Leônidas Casanova. Ed. Kírion. Campinas, 2017.

MERTON, Robert K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970.