Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, X Mostra da Pós-Graduação: Direitos Humanos, trabalho coletivo e redes de pesquisa na Pós Graduação

Tamanho da fonte: 
Taxa de diagnósticos de hanseníase no estado do Mato Grosso, de 2014 a 2016
Mario Ribeiro Alves, Marina dos Atanaka, Emerson Soares dos Santos

Última alteração: 08-10-18

Resumo


Analisou-se a evolução espaço-temporal da hanseníase em Mato Grosso, nos anos de2014, 2015 e 2016, por municípios. Foram diagnosticados 23.128 casos da doença noperíodo de estudo, sendo que 11.564, 1.108 e 776 casos foram diagnosticados nosmunicípios de Nova Monte Verde, Cuiabá e Vale de São Domingos, respectivamente.Foram observados baixos indicadores socioeconômicos entre os municípios com altastaxas de diagnóstico, como 0% de domicílios urbanos em vias públicas comurbanização adequada, 0,2% dos domicílios com esgotamento sanitário e taxa demortalidade infantil de 55,56 por 1.000 nascidos vivos. Tais indicadores contribuempara a manutenção do quadro de hanseníase em Mato Grosso, já que foi o estado commaior taxa de detecção geral da doença (de 2012 a 2016) e sua transmissão estáassociada a baixos índices de desenvolvimento humano.

Palavras-chave


Hanseníase, Epidemiologia, Análise Espacial

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 2.556, de 28 de outubro de 2011. Brasília:Ministério da Saúde, 2011. [Internet]. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2556_28_10_2011.html(Acessado em: 31/08/2018).

Brasil.Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Boletim epidemiológico.Volume 49, Número 4. 2018.Brasil.

Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Departamento devigilância epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias : guia de bolso. Oitavaedição revisada. Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

De Freitas BHBM, Xavier DR, Cortela DCB, Ferreira SMB. Hanseníase em menores dequinze anos em municípios prioritários, Mato Grosso, Brasil. Revista Brasileira deEpidemiologia, 21: E180016, 2018.

Munhoz-Jr S, Fontes CJF, Meirelles SMP. Avaliação do programa de controle dahanseníase em municípios mato-grossenses, Brasil. Revista de Saúde Pública, 31(3):282-7, 1997.

World Health Organization. Weekly epidemiological record. Global leprosy update,2015: time for action, accountability and inclusion. Number 35, 405-420, 2016.