Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, VII Semana Acadêmica da Faculdade de Educação Física e X Seminário de Socialização de Práticas de Estágio

Tamanho da fonte: 
Efeito agudo do exercício semi-agachamento com vibração de corpo inteiro na pressão arterial
Bruno Guilherme da Silva, Jacielle Carolina Ferreira

Última alteração: 12-08-19

Resumo


Introdução: A vibração de corpo inteiro (VCI) é uma modalidade que está recebendo crescente atenção nas duas últimas décadas, visando melhorias no desempenho esportivo e terapêutico. Apesar de inúmeras pesquisas acerca da VCI, as respostas humanas a esse tipo de estímulo não são totalmente compreendidas. Uma das preocupações da exposição dessas vibrações são seus efeitos agudos na pressão arterial (PA), sendo obscuro se há uma relação consistente entre a alteração da PA em função do tempo de exposição à VCI. O objetivo desse projeto será analisar os efeitos agudos do exercício isométrico de semi-agachamento com VCI na pressão arterial sistólica (PAS), diastólica (PAD) e média (PAM). Metodologia: Serão recrutados 10 sujeitos do sexo masculino com idade entre 18 e 40 anos. Os voluntários comparecerão ao laboratório em duas visitas, para execução do protocolo de treinamento, que em um dia será com VCI e em outro dia sem. Para não haver efeito de sequência, a ordem será aleatorizada e balanceada. O retorno será a partir de 24 horas. Nas sessões experimentais, os voluntários sentarão em uma cadeira e repousarão por um minuto, após este, será mensurado a PA. No alcance do quarto minuto, será mensurada novamente a PA. Logo após, dará início à sessão que consistirá em 10 séries de 30s de exercício de semi-agachamento isométrico, com intervalos de 30s entre séries. Em ambas as sessões experimentais, o exercício será realizado em uma plataforma vibratória oscilatória (KIKOS P204). No dia em que houver presença de VCI, a plataforma será ligada a uma frequência de 22Hz e amplitude pico a pico de 1,6 mm. O descanso será sob a plataforma vibratória em posição ortostática. No decorrer do treino, ao vigésimo segundo, sempre será dado o sinal ao enfermeiro para inflar esfigmomanômetro, para que assim, imediatamente ao terminar os 30s da série, seja possível mensurar a PA, em ambos protocolos. Após última série do exercício, o sujeito permanecerá sentado novamente e, depois de um minuto será coletada a PA e, no quarto minuto novamente. Todos os dados serão tabulados no Office Excel 2016, e a PAM será calculada a partir da PAS e PAD. Será utilizado o método estatístico Anova Two-Way para analisar os dados entre 14 momentos (2 PA pré, 10 PA exercício e, 2 PA pós) e entre duas situações (com e sem VCI). Se necessário, será aplicado o teste post hoc de Holm-Sidak. Será adotado p < 0,05. Resultados esperados: Com base na literatura, acredita-se que a PA aumentará em função da VCI, ainda este aumento se dará em algum período da exposição a VCI próximo ao termino do protocolo, ou seja, com maior acumulo de tempo efetivo. Ainda é esperado estimar um determinado tempo de exposição à VCI como parâmetro de segurança.

Palavras chave: Vibrações mecânicas, Pressão sanguínea, Treino isométrico.