Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IV Semana Acadêmica de Sinop

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DO EFEITO DA CAESALPINIA FERREA (PAU-FERRO) SOBRE A MEMÓRIA EM CAMUNDONGOS
Ritane Rose da Silva Lima, Valéria Dornelles Gindri Sinhorin, Adilson Paulo Sinhorin, Pacífica Pinheiro Cavalcanti, Cláudia dos Reis, Valfran da Silva Lima, Patrícia da Costa Marisco

Última alteração: 05-10-17

Resumo


O uso de plantas medicinais como terapia alternativa ou complementar é prática conhecida há milhares de anos. Apesar da grande oferta de medicamentos industrializados, ainda representamalternativas naturais para a população. As pesquisas científicas buscam tanto a descoberta de novas drogas naturais quanto a comprovação científica do uso popular.O aumento na expectativa de vida tem reveladoalta incidência de doenças neurodegenerativasligadas a distúrbios na memória e demência, tais como a doença de Alzheimer (DA). O tratamento farmacológico da DA utiliza medicamentos que apresentam efeitos colaterais, têm eficácia questionada ou não apresentam efeito satisfatório nos estágios mais avançados, especialmente sobre o prejuízo à memória. Assim,há necessidade de desenvolvimento de novas drogas com boa ação nootrópica (melhora da memória) e baixa toxicidade. Portanto, é relevante estudar o potencial das plantas medicinais em melhorar o aprendizado e a memória. O objetivo deste trabalhofoi estudar o efeito do extrato da Caesalpinia ferrea sobre a memória em camundongos utilizando o modelo de amnésia induzida pela escopolamina.Foram utilizados camundongos Swiss machos (25 – 40 g) tratados via oral uma vez ao dia por 14 dias com o extrato acetato de etila da planta(50 mg/kg). No último dia os animais receberam escopolamina (1 mg/kg, i.p.) para indução daamnésia e após uma hora, um grupo de animais (n=8) foi avaliado no teste de memória esquiva inibitóriae do campo aberto e outro (n=8) no de reconhecimento de objetos. Ao término, ambos foram eutanasiados e os cérebros retirados para determinação de marcadores do estresse oxidativo e atividade da enzima acetilcolinesterase. Os resultados demonstraram que o extrato foi capaz de prevenir o déficit de memória causado pela escopolamina na memória de curta e longa duração na esquiva inibitória, mas não na tarefa de reconhecimento de objetos e nem causou alteração locomotorados animais. Não foi observado aumento nos marcadores de estresse oxidativo TBARS eproteínas carboniladasem nenhum grupo, assim como nenhuma alteração na atividade da acetilcolinesterase. Concluiu-se que apesar do extrato da C. ferrea ter sido capaz de prevenir o prejuízo à memória induzido pela escopolamina na tarefa da esquiva inibitória, não foi para a tarefa de reconhecimento de objetos. Isso leva à conclusão de que novos estudos devem ser realizados utilizando outras doses e até mesmo outras tarefas comportamentais a fim de investigar melhor esse efeito.

 

Palavras-chave: Plantas medicinais; Nootrópicos; Amnésia; Escopolamina.