Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IV Semana Acadêmica de Sinop

Tamanho da fonte: 
PREVENÇÃO DE OSTEOPOROSE EM MULHERES MENOPAUSADAS NA REDE PÚBLICA
Marcel Augusto Mezacasa, Rayzza Vithoria Soares, Alexandra Secreti Prevedello, Gleici Filipetto Segato, Daianni Barboza Stadtler

Última alteração: 06-10-17

Resumo


A osteoporose é uma doença esquelética sistêmica que leva à redução da densidade mineral óssea, tendo como etiologia mais prevalente a privação estrogênica em mulheres em menopausa que, por conseguinte, aumenta substancialmente o risco de fraturas por fragilidade. Desta forma, torna-se imprescindível a identificação de fatores de risco para o desenvolvimento de osteoporose nesse grupo populacional, a fim de se realizar o diagnóstico precoce e tratamento adequado. O ambulatório atende semanalmente nas quartas-feiras no Centro de Especialidades Médicas (CEM) de Sinop onde são admitidas quatro novas pacientes que se encontram no período de climatério triadas pelas unidades básicas de saúde e mais quatro retornos. Essas consultas são realizadas pelos acadêmicos de medicina, acompanhados e orientados por uma equipe multidisciplinar composta por ortopedista, ginecologista, reumatologista, endocrinologista, médico de família, pediatra, seguindo um protocolo baseado nas recomendações da Organização Mundial de Saúde. No primeiro momento são coletados diversos dados sobre a paciente e anotados no extenso prontuário do ambulatório, em seguida são solicitados exames de imagem e laboratoriais os quais são realizados pelos parceiros apoiadores do ambulatório para a investigação de alterações na densidade mineral óssea. No segundo momento, as pacientes retornam ao ambulatório com todos os exames solicitados, quando é discutido o diagnóstico e a melhor terapia a ser instituída para a paciente, se necessário. Atualmente, o ambulatório tem um total de 208 pacientes, das quais 110 (52,88%) foram admitidas ao longo do ano de 2016 e 98 (47,12%) durante o ano de 2017. De 164 pacientes que já tiveram diagnóstico, 142 (86,58%) apresentaram alterações significativas nas densitometrias ósseas, sendo que dessas, 88 (61,97%) possuem osteopenia e 54 (38,03%) osteoporose. Logo, os resultados evidenciam a importância de realizar uma busca ativa em pacientes com fatores de risco, uma vez que grande parte das pacientes atendidas tiveram perda considerável de massa óssea. Desse modo, há necessidade de uma intervenção na reeducação alimentar com maior ingesta de cálcio e no tratamento adequado e precoce, a fim, de evitar fraturas, assim como melhora na qualidade de vida.

Palavras-chave: ambulatório de osteoporose, mulheres menopausadas; Sinop-MT.


Referências


1. KANIS, J. A. Diagnosis of osteoporosis and assessment of fracture risk. The Lancet, V. 359:, 2002. p. 929-1936. Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0140-6736(02)08761-5. Acesso em: 22/09/2017.

2. LINDSAY, R; SILVERMAN, S. L.; COOPER, C. Risk of New Vertebral Fracture in the Year Following a Fracture. Journal of the Medical American Association (JAMA), V. 285, 2001, p. 320-323. Disponível em: http://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/193469. Acesso em 22/09/2017.

3. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Osteoporose. 2014. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/dezembro/15/Osteoporose.pdf. Acesso em 22/09/2017.

4. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Prevention and management of osteoporosis: report of a WHO scientific group. 2003. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/trs/who_trs_921.pdf,. Acesso em 22/09/2017.

5. RADOMINSKI, S. C.; et al. Osteoporose nas mulheres na  pós-menopausa. Revista Brasileira de Reumatologia, V. 44, N.6, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0482-50042004000600006. Acesso em: 22/09/2017.