Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, V SEMANA ACADÊMICA DE SINOP

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA NA ATENÇÃO PRÉ-NATAL NAS ESTRATÉGIAS SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE SINOP-MT
Carla Alexandra de Souza Santos, Priscilla Shirley Siniak dos Anjos Modes, Jéssica Gonçalves Holanda Moraes, Thais Pereira da Silva, Vanda Patricia da Silva Santos, Daniela Ferreira de Souz, Ana Maria Nunes da Silva

Última alteração: 11-10-18

Resumo


A atenção pré-natal adequada viabiliza recursos físicos, materiais e humanos para efetuaçãodo atendimento qualificado. Compreende-se que tais recursos influenciam diretamente nos coeficientes de morbimortalidade materna-neonatal e possui um alto potencial indicativo da qualidade dos serviços de saúde e interfere no processo de trabalho. O estudo da estrutura dos serviços pode auxiliar na adequação da assistência prestada, na motivação dos profissionais egestores para a melhoria dos serviços e na reflexão de aspectos que qualificam a atenção.Objetivou-se avaliar a estrutura da atenção pré-natal em Estratégias Saúde da Família (ESF)em Sinop/MT, considerando o modelo Donabediano, os critérios estabelecidos pelo Programade Humanização do Pré-natal e Nascimento e o Manual de Estrutura Física das UBS do Ministério da Saúde. Pesquisa avaliativa-descritiva de abordagem quantitativa. Foram analisados os recursos físicos, materiais e humanos de cada unidade de saúde, aplicando questionários estruturados. A pesquisa foi realizada em quinze unidades cadastradas comoESF em Sinop/MT no ano de 2016. Os dados coletados foram digitados, tabulados no programa Office Excel 2007, e posteriormente analisados descritivamente. Todas as unidades100% (15) dispunham de consultórios, sala de reuniões educativas, sala de curativo,vacinação e esterilização, copa/cozinha e expurgo. Apenas uma unidade não possuía de salade pré-consulta e sanitários para o público separado por sexo. Na recepção registrou-se que73,3% (11) das unidades não dispunham de telefone e computador e 100% (15) delas não tinham sala específica para a guarda de prontuários. Nenhuma unidade apresentava sinalizações de ambiente através de caracteres de relevo, em Braile ou por recursos auditivos.Todas as unidades dispunham de balança para adulto, esfigmomanômetro, estetoscópio clínico, termômetro digital, mesa ginecológica, foco de luz, fita flexível/inelástica e materiais para coleta de CCO, em quantidade suficiente. Em todas elas havia pelo menos um aparelho sonnar, porém, este era compartilhado pelos profissionais. A caderneta da gestante e o prontuário esteve presente em 100% das unidades. Modelos de materiais educativos estiveram ausentes em 93,3% (14) das unidades. Superior a 70% era o número de médicos e enfermeiros com pós-graduação na área da saúde pública. E 47,2% dos trabalhadores da equipe já haviam participado de capacitação/treinamento para atendimento à gestante. Constata-se que amaioria das unidades possuem uma estrutura básica para a atenção pré-natal. Entretanto,precisa adequar as unidades fora dos parâmetros estruturais estabelecidos, rever questões de acessibilidade, dar suporte as ações educativas e promover atualizações aos profissionais como intuito de qualificar o pré-natal em Sinop.

Palavras-chave


Assistência à saúde; Pré-natal; Estrutura dos serviços; Atenção Primária à Saúde.