Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, V SEMANA ACADÊMICA DE SINOP

Tamanho da fonte: 
HEPATOZOON spp. ASSOCIADO À CINOMOSE EM CÃO ATENDIDO NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO NO MUNICÍPIO DE SINOP - RELATO DE CASO
Diogo Wittingham da Silva, Dener Barros Morais, Amanda Cordioli Bonatto, Marcos Vieira Bomfim, Alessandra Kataoka, Arlyson Sousa Ferreira, Ana Lúcia Vasconcelos

Última alteração: 09-10-18

Resumo


Hepatozoon spp. é um protozoário que parasita leucócitos e tecidos parenquimatosos. Em cães é transmitido pelo carrapato da espécie Rhipicephalus sanguineus, vetor do Hepatozoon spp.. Sua disseminação se inicia a partir da ingestão do carrapato contendo oocistos esporulados. O objetivo deste relato de caso foi descrever a identificação do Hepatozoon spp. associado ao corpúsculo de Lentz em um canino atendido no Hospital Veterinário – HOVET da Universidade Federal de Mato Grosso. No dia 03 de abril de 2018 uma cadela mestiça, adulta, deu entrada no setor de clínica médica de pequenos animais do HOVET. O proprietário relatou não saber a idade do animal e o mesmo o resgatou da rua há cinco meses, alegando que o animal sempre fugia. Foi evidenciado no exame clínico que o animal apresentava dificuldades em enxergar, secreção mucopurulenta ocular, incoordenação motora com movimentação em círculos, eritema em região lombar com feridas decorrentes de picadas de carrapatos e mioclonia. Os exames laboratoriais revelaram uma trombocitopenia, hipoproteinemia, neutrofilia com desvio à esquerda regenerativo discreto e linfopenia, alterações comuns em infecções virais oportunistas. Além disso, foi encontrado na lâmina de esfregaço sanguíneo corado com panótico, a presença do Hepatozoon spp. e corpúsculos de Lentz em neutrófilos segmentados. Para o tratamento foi receitado imunoestimulante, antibióticos, complexos vitamínicos e clorexidine tópico. O animal foi encaminhado para uma clínica particular, pois nesse período o HOVET não estava internando animais com doenças infecciosas. Os danos causados aos cães pelo Hepatozoon spp. são considerados pouco patogênicos e oportunistas por alguns autores, podendo aparecer concomitante com outras infecções imunossupressoras, como babesiose, cinomose, erliquiose, dirofilariose, leishmaniose, entre outras. Assim, uma infecção por Hepatozoon spp. apresenta sinais sub clínicos, fazendo com que os sinais clínicos evidentes sejam provenientes de infecções associadas. O corpúsculo de Lentz pode ser encontrado na fase de viremia na cinomose, apesar da baixa frequência, esta inclusão é considerada uma ferramenta de diagnóstico precoce, sendo causa de um efeito citopático na célula e o mesmo é considerado patognomônico para a enfermidade. A presença do corpúsculo de Lentz junto ao Hepatozoon spp. confirma a associação da presença do protozoário com outras infecções imunossupressoras. As informações do presente relato alertam para a escassez de dados da ocorrência de hepatozoonose canina na região do município. Fica assim registrado o primeiro relato de Hepatozoon spp. associado ao vírus da cinomose, confirmado através da presença de corpúsculos de Lentz.


Palavras-chave


hemoparasita, infecção viral, corpúsculo de Lentz, Rhipicephalus sanguineus.