Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, V SEMANA ACADÊMICA DE SINOP

Tamanho da fonte: 
O ADOLESCENTE FRENTE À SEXUALIDADE E AS MUDANÇAS QUE OCORREM DURANTE A PUBERDADE
Luciana Pelizari, Dilson Chamos de Arruda, Francisco Moacir Pinheiro Garcia

Última alteração: 17-10-18

Resumo


A Organização Mundial da Saúde considera a adolescência a segunda década da vida (de 10 a 19 anos). Já o Brasil considera adolescente a partir dos 12 anos, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A puberdade é considerada como um processo fisiológico de maturação hormonal e crescimento somático que torna o organismo apto a se reproduzir. Na puberdade ocorrem algumas mudanças no padrão de secreção de alguns hormônios. É a partir da secreção dos esteróides sexuais, predominantemente, a testosterona no menino e o estradiol nas meninas, que as modificações morfológicas do período puberal ocorrem. O objetivo desse trabalho é descrever à atividade de educação em saúde, realizada em uma escola da rede estadual de ensino de Sinop-MT, em que foram abordados as questões sobre a sexualidade na adolescência. Trata-se de uma atividade de educação em saúde realizada pelo projeto de extensão nos dias 13 e 14 de novembro de 2017. Antes do inicio da atividade, foi aplicado um questionário com perguntas para abordagem dos conhecimentos desses jovens. Foram respeitados os preceitos éticos estabelecidos pela Resolução 496/96 do Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde, garantido o anonimato dos participantes, pois não era necessária a identificação e todos foram orientados e aceitaram responder ao questionário. Participaram da atividade 25 alunos do ensino fundamental com idade mínima de 13 anos e máxima de 15 anos, sendo 16 do sexo feminino e 09 do sexo masculino. Dos alunos que já iniciaram as atividades sexuais, 75% desses relatam não usarem preservativos e 25% afirma usarem. Quanto aos métodos contraceptivos, 52% dizem conhecer e sabe como usar, mais devido o conhecimento do parceiro (a), não usam, 48 % dizem não conhecerem e nem usam. Quanto ao esclarecimento sobre sexualidade, prevenção das IST’S, onde eles tiveram orientações, 62 % responderam que na escola e projetos, 14% com os pais, 16% com os amigos e 8% marcaram outras formas mais não citaram. Ao encerramento das atividades além da satisfação e reconhecimento do trabalho, foram surpreendentes os resultados no que diz respeito à assimilação do público alvo acerca da importância do assunto abordado. Os adolescentes demonstraram interesse durante toda a atividade, foram participativos, interagiram com os acadêmicos. A atuação do Enfermeiro nesta fase é de extrema relevância, pois proporciona ao adolescente um desenvolvimento saudável, melhorando seu desempenho escolar e sua qualidade de vida.


Palavras-chave


Adolescente, puberdade, educação em saúde.