Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, V SEMANA ACADÊMICA DE SINOP

Tamanho da fonte: 
Uma ação de extensão: promoção da Saúde dos Adolescente
Alessandra Taís Santos, Luciana Pelizari, Moaby Ferreira da Silva, Francisco Moacir Pinheiro Garcia, Juliana Silva do Nascimento

Última alteração: 09-10-18

Resumo


A Organização Mundial de Saúde (OMS) define adolescência como o período entre 10 e 19 anos de idade, sendo este marcado pelo crescimento e desenvolvimento acelerado, onde o estado nutricional indica condições de uma vida saudável. A adolescência é uma época de grandes transformações, as quais repercutem não apenas no individuo, mas também em sua família e comunidade, além de ser um período de transição entre a infância e a vida adulta, repleto de dúvidas, incertezas, medos e angustias. O projeto tem por objetivo desenvolver ações voltadas à saúde do adolescente na Associação Comunitária de Orientação e Aprendizagem ao Adolescente de Sinop/MT ACOAS – Projeto Luz do Amanhã: Cultivando Segurança com Integração Social, um projeto social de prevenção primária, que tem como finalidade congregar adolescentes de 12 a 17 anos de idade, ambos os sexos, da rede pública e privada do município, a fim de instruí-los sobre técnicas de plantio e cultivo de hortaliças e educa-los intelectual, moral e civicamente, baseando-se na dedicação, na honestidade, no direito à convivência familiar e comunitária, no respeito às leis, no amor a Deus, a pátria e ao próximo. Metodologia: O presente projeto é uma parceria entre alunos do curso de Enfermagem da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e o Departamento de Programas Estratégicos da Secretaria Municipal de Saúde de Sinop. O acompanhamento da saúde deles é realizado no 3° Comando regional da Policia Militar de Sinop, onde as atividades do Projeto Luz do Amanhã são desenvolvidas. As  atividades desenvolvidas baseiam-se em coleta do histórico pessoal e familiar do adolescente, verificação dos sinais vitais, acompanhamento antropométrico, verificação da glicemia capilar, avaliação da carteira vacinal e imunização quando necessário, avaliação do risco cardíaco, consulta médica e de enfermagem. Resultados: 85 alunos foram atendidos no mês de agosto,  sendo 51 deles do sexo feminino e 32 feminino, todos estavam aptos quanto ao exame de aptidão física e não apresentavam risco cardíaco. Conclusão: Esta experiência desenvolvida com os adolescentes contribui no aprendizado dos acadêmicos sobre o ser enfermeiro através de atividades educativas, voltadas para a melhoria da qualidade de vida dos adolescentes.


Palavras-chave


Adolescente, puberdade, educação em saúde.