Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, SEMINÁRIO DO ICHS – Humanidades em Contexto: desafios contemporâneos (2017)

Tamanho da fonte: 
Tráfico de pessoas: a invisibilidade e criminalização das mulheres e transgêneros
Vera Lúcia ARAÚJO

Última alteração: 17-05-18

Resumo


Tráfico de pessoas é uma violação aos Direitos Humanos e tem uma de suas causas na globalização mundial. Mulheres são as maiores vítimas e somente no século XX os Tratados reconheceram as violações acometidas à elas. Diferentes políticas de combate ao tráfico têm sido mais eficazes em criminalizar populações econômica e racialmente marginalizadas, reforçando o controle das fronteiras e de pessoas envolvidas no mercado do sexo. Ao reprimir o tráfico de pessoas, mulheres e transgêneros, que conforme o Protocolo de Palermo, deveriam ser acolhidas, estariam sendo detidas e criminalizadas. Nos estudos sobre o fenômeno em Mato Grosso, constatamos a reprodução da invisibilidade das mulheres e sua criminalização na condição de vítimas. As autoridades não têm conhecimento dessa temática e, quando tem, falta sensibilidade e perspicácia para identificar uma vítima ou um caso de tráfico.

 


Palavras-chave


Tráfico de Pessoas; Mulheres; Transgêneros; Globalização; Invisibilidade

Referências


ALENCAR, E. C. O. Nos bastidores da migração: o tráfico de mulheres no Brasil dos séculos XIX e XX. A cidadania em debate: tráfico de seres humanos. 1. ed. Fortaleza: UNIFOR, 2006.

ALIANÇA GLOBAL CONTRA O TRÁFICO DE MULHERES (GAATW). Criação e missão institucional. s/d. Disponível em:< http://www.gaatw.org>. Acesso em: 01/07/2017.

BRASIL 247. Escravidão é até 30 vezes mais lucrativa hoje do que nos séculos 18 e 19. 2017. Disponível em: <https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/312336/Escravid%C3%A3o-%C3%A9-at%C3%A9-30-vezes-mais-lucrativa-hoje-do-que-nos-s%C3%A9culos-18-e-19.htm>.  Acesso em: 17/08/2017.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.017, de 12 março de 2004. Promulga o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas, em Especial Mulheres e Crianças.

______. Decreto Nº 5.948, de 26 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e institui Grupo de Trabalho Interministerial com o objetivo de elaborar proposta do Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas – PNETP. Brasília, 2006.

______. Ministério da Justiça. Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. 2008. Disponível em: <http://www.justica.gov.br/sua-protecao/trafico-de-pessoas/publicacoes/anexos/i-plano-nacional-de-etp.pdf>. Acesso em: 06/03/2017.

CENTRO DE REFERÊNCIA, ESTUDOS E AÇÕES SOBRE CRIANÇAS E ADOLESCENTES (CECRIA). Pesquisa sobre Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes para Fins de Exploração Sexual Comercial - Relatório Nacional, Brasil, 2002. Disponível em: <http://www.namaocerta.org.br/pdf/Pestraf_2002.pdf>. Acesso em: 13/01/2017.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Criado Fórum Nacional do Poder Judiciário para o enfrentamento ao tráfico de pessoas. 2014. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/61816-criado-forum-nacional-para-o-enfrentamento-ao-trafico-de-pessoas-no-poder-judiciario>. Acesso em: 18/06/2017.

______. Tráfico de pessoas é “um tumor mundial”, diz dom José Luiz Azcona, bispo-emérito de Marajó (PA). 2017. Disponível em: <http://www.migrante.org.br/index.php/trafico-de-pessoas2/412-trafico-de-pessoas-e-um-tumor-mundial-diz-dom-jose-luiz-azcona-bispo-emerito-de-marajo-pa>. Acesso em: 09/08/2017.

DIAS, G. M.; SPRANDEL, M. A. A temática do tráfico de pessoas no contexto brasileiro. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana (REMHU), n. 35, p. 155-170, 2010.

DIAS, G. M. Migração e crime: desconstrução das políticas de segurança e tráfico de pessoas. Campinas-SP. Tese (Doutorado). Unicamp/ Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. 2014.

EUROPEAN EXTERNAL ACTION SERVICE. ACT promove reunião do Comitê Nacional contra o Tráfico de Pessoas (CONATRAP). 2017. Disponível em: <https://eeas.europa.eu/delegations/brazil/28548/gloact-promove-reuni%C3%A3o-do-comit%C3%AA-nacional-contra-o-tr%C3%A1fico-de-pessoas-conatrap_en>. Acesso em: 17/07/2017.

EMBAIXADA E CONSULADOS DOS EUA NO BRASIL. Relatórios Oficiais. 2017. Disponível em: <https://br.usembassy.gov/pt/our-relationship-pt/relatorios-oficiais/>. Acesso em: 10/08/2017.

FONSECA, G. História da prostituição em São Paulo. São Paulo: Resenha Universitária, 1982.

FERNANDES, B. As Mulheres Travestis e Transexuais : das migrações sexuais ao Tráfico de Pessoas. Cadernos Temáticos sobre Tráfico de Pessoas, v. 02, Brasília: Ministério da Justiça, 2016.

HAZEU, M. (coord.). Pesquisa tri-nacional sobre tráfico de mulheres do Brasil e da República Dominicana para o Suriname: uma intervenção em rede. Belém: Sodireitos, 2008.

LEMUS, R. C. Um olhar marxista sobre a prostituição. Ligua Internacional de los Trabajadores  - Cuarta Internacional. 2015. Disponível em: <http://litci.org/pt/especiais/opiniao/um-olhar-marxista-sobre-a-prostituicao/>. Acesso em: 23/03/2017.

MATO GROSSO MAIS. Governo do Estado cria Núcleo de Combate ao Tráfico de Pessoas em Mato Grosso. 2016. Disponível em: <http://matogrossomais.com.br/2016/12/19/governo-do-estado-cria-nucleo-de-combate-ao-trafico-de-pessoas-em-mato-grosso/. Acesso em: 05/07/2017>.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). Plano Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Sejudh: Várzea Grande, 2011. No prelo.

MIDIA NEWS. Tráfico de pessoas fomenta prostituição em Mato Grosso. 2011. Disponível em:< http://m.primeirahora.com.br/noticia/43867/trafico-de-pessoas-fomenta-prostituicao-em-mato-grosso>. Acesso em: 19/06/2017.

MONITORAMENTO CEDAW Ação Permanente do Monitoramento do Movimento de Mulheres – Brasil. Caderno 2. 2013. Disponível em: <http://monitoramentocedaw.com.br/wp-content/uploads/2013/08/CEDAW-Caderno-II-WEB-parte-1.pdf. > Acesso em: 01/07/2017.

______. Mato Grosso soma 24 ações sobre tráfico de pessoas. 2014. Disponível em: <http://monitoramentocedaw.com.br/noticias-cedaw/mato-grosso-soma-24-acoes-sobre-trafico-de-pessoas>. Acesso em: 18/06/2017.

OPERA MUNDI. Escravidão é até 30 vezes mais lucrativa hoje do que nos séculos 18 e 19, diz economista. Homepage. 2017. Disponível em: <http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/47697/escravidao+e+ate+30+vezes+mais+lucrativa+hoje+do+que+nos+seculos+18+e+19+diz+economista.shtml?id=bol&&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=boletim_OM_010817>. Acesso em: 10/08/2017.

RAGO, M. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo, 1890-1930. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1991.

RAUBER, T. MT é rota do tráfico de mulheres. Gazeta Digital. 2011. Disponível em: <http://www.gazetadigital.com.br/conteudo/show/secao/9/og/1/materia/271973/t/mt-e-rota-do-trafico-de-mulheres>. Acesso em: 15/03/2017.

ROSA, A. Tráfico de mulheres: uma questão de gênero e classe. A verdade. 2012. Disponível em: <http://averdade.org.br/2012/04/trafico-de-mulheres-uma-questao-de-classe-e-genero/. > Acesso em: 23/03/2017.

SANTANA, A. G. Acusado por integrar rede de prostituição diz que era "procurado" por meninas e que tinha intuito de ajudá-las. Olhar Direto. 2017. Disponível em: <http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=435757&noticia=acusado-por-integrar-rede-de-prostituicao-diz-que-era-procurado-por-meninas-e-que-tinha-intuito-de-ajuda-las>. Acesso em: 12/07/2017.

SANTANA, A. G.MT tem taxa de feminicídio maior que média nacional; negras e pardas são maiores vítimas. 2017. Disponível em: <http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?id=431840>. Acesso em: 04/07/2017.

SCANDOLA, E. M. R. Fundamentos Ideopolíticos dos Planos de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de Portugal e do Brasil à Luz do Serviço Social. Tese (Doutorado).Universidade Federal de Pernambuco, 2015. Disponível em:  <https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/11962>. Acesso em: 04/07/2017.

SPRANDEL,M. A. Tráfico de pessoas no Brasil. Direitos Humanos no Brasil 2006 - Relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humano, p. 147-156, 2006.

U.S. DEPARTMENT OF STATE. FY 2016 Annual Performance Report. 2016. Disponível em: <https://www.state.gov/s/d/rm/rls/perfplan/2016apr/pdf/271400.htm>. Acesso em: 09/08/2017.

______. International Programs to Combat Trafficking in Persons.2017a. Disponível em: <https://www.state.gov/j/tip/rls/fs/2017/272718.htm>. Acesso em: 09/08/2017.

______. Topic of Special Interest. 2017b. Disponível em: <https://www.state.gov/j/tip/rls/tiprpt/2017/271110.htm>. Acesso em: 09/08/2017.

XEREZ, G; SOBRAL, V.; CORDEIRO, M. Mulheres do CE, BA, MG e SP eram traficadas para Europa via Fortaleza. Globo.com. 2017. Disponível em: <http://g1.globo.com/ceara/noticia/2017/02/mulheres-do-ce-ba-mg-e-sp-eram-traficadas-para-europa-fortaleza.html>. Acesso em: 16/03/2017.

24 HORAS NEWS. Sete indiciados por prostituição e tráfico de mulheres em Mato Grosso. 2007. Disponível em: <http://www.sonoticias.com.br/noticia/policia/sete-indiciados-por-prostituicao-e-trafico-de-mulheres-em-mato-grosso>. Acesso em:19/06/2017.


Texto completo: PDF