Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, SEMINÁRIO DO ICHS – Humanidades em Contexto: desafios contemporâneos (2017)

Tamanho da fonte: 
Enegrecer o Feminismo
Amanda Karoliny Conceição de CARVALHO, Qelli Viviane Dias ROCHA

Última alteração: 11-06-18

Resumo


O estudo aqui proposto teve o objetivo de evidenciar a trajetória da luta das mulheres no Brasil, sobretudo a construção e a importância do movimento feminista negro. Para tanto, utilizamos de pesquisa bibliográfica, o que dificultou nosso percurso na elaboração do mesmo, haja vista que a história do/a negro/a, ainda é contada a partir de uma visão eurocentrada. Com a aproximação das produções de intelectuais negras, nos possibilitou desvelar, que as mulheres negras, estão galgando espaços, na luta, na universidade e para além disso, estão produzindo intelectualmente, aspecto esse que ainda é permeado de retrocessos e avanços.

 


Palavras-chave


Movimento Feminista Negro; Mulher Negra; Luta das Mulheres

Referências


CARDOSO, Cláudia Pons. História das mulheres negras e pensamento feminista negro: algumas reflexões. Fazendo Genêro 8, Corpo, Violência e Poder, Florianópolis, 2008.

CARNEIRO, Sueli - Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na américa latina a partir de uma perspectiva de gênero. Geledés, 2013.

CARNEIRO. Sueli. Gênero e Raça. In: BRUSCHINI, Cristina; UNBEHAUM, Sandra G. Gênero (Orgs.), Democracia e Sociedade Brasileira. Rio de Janeiro: Editora 34, 2002, p. 167-193.

____. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48º. ed. São Paulo: Global, 2003.

GONZALEZ, Lélia. O lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual / organização de Madel T. Luz. – 1. Ed.Rio de Janeiro,1892.

____. Racismo e Sexismo na cultura brasileira. In: Revistas Ciências Sociais Hoje, Ancops, 1984, p. 223-244.

____. E a trabalhadora negra, cumê que fica? Mulherio, São Paulo, ano II, n.7, mai./jun., 1982, p. 4.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

LEMOS, Rosalia O. Feminismo negro em construção: a organização do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro, 1997. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MOREIRA, Nubia Regina. O feminismo negro brasileiro: um estudo do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro e São Paulo. Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Sociologia, 120 p. 2007. Disponível em:< http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/278996> Acesso em: 05/08/2017.

OLIVEIRA, Maria Vanilda de. Um olhar interseccional sobre feminismos, negritudes e lesbianidades em Goiás. Universidade Federal de Goiás – Faculdade de Ciência Humanas e Filosofia – Departamento de Ciências Sociais – Programa de Pós-Graduação em Sociologia – Mestrado em Sociologia, 2006.

RATTS, Alex. Eu sou Atlântica sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza, 2006.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Fundação Perseu Aramo, 2004.

SANTOS, Sônia Beatriz. As ONGs mulheres negras no Brasil. Soc. e Cult., Goiânia, v.12, n.2, p. 275-288, 2009. Disponível em:< https://www.geledes.org.br/ongs-de-mulheres-negras-brasil/> Acesso em: 14/09/2017

SANTOS, Luana Dias dos. Por um feminismo Plural: escritos de Lélia Gonzalez no jornal Mulherio. Gênero na Amazônia, Belém, n.4, jul./dez., 2013.

SEBASTIÃO, Ana Angélica. O feminismo negro e suas práticas no campo da cultura. Revista ABPN, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ), 2010. Disponível em:< http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/308/286 Acesso em: 15/09/2017.

 


Texto completo: PDF