Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, SEMINÁRIO DO ICHS – Humanidades em Contexto: desafios contemporâneos (2017)

Tamanho da fonte: 
O poder e o espaço agrário
Lucineia Soares da SILVA, Claudio Alves CORREIA

Última alteração: 04-06-18

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de analisar como a relação de poder se relaciona com o mundo agrário. O tipo de dominação que materializa a categoria poder, e que está mais próxima do mundo agrário é a tradicional, em virtude de suas características, como a proximidade entre o líder e o servidor. Weber prevê, a partir de seus estudos sobre os Junkers na Alemanha, o avanço do capitalismo no território agrário e a dominação, ocorrendo pela apropriação cada vez maior de terras pelo capital, no caso brasileiro, inclusive capital estrangeiro. Os dados e os estudos apontam para a formação de uma aristocracia política (grandes latifúndios) no Estado de Mato Grosso ou de elite agrária.

Palavras-chave


Poder; Dominação; Questão agrária; Burocracia; Patriarcal

Referências


BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado, Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1995.

COUTINHO. Contra a Corrente: ensaios sobre democracia e socialismo. – 2. ed., São Paulo: Cortez, 2008.

FIORI, José Luís. O Consenso de Washington. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1996.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de Classe e Subdesenvolvimento. Zahar Editores. Rio de Janeiro, 1981

FREUND, Julien. Sociologia de Max Weber. Editora Forense, Rio de Janeiro, 1980.

LEITE, Sérgio Pereira; SAUER, Sérgio. Expansão do agribusiness, mercado de terras e estrangeirização da propriedade rural no Brasil: notas críticas sobre a dinâmica recente. In: MARTINS, Rodrigo Constante (Org.). Ruralidades, trabalho e meio ambiente: diálogos sobre sociabilidade rurais contemporâneas. São Carlos: EduFSCar, 2014, p. 193-232.

MARTINS, Rodrigo Constante. (Novas) ruralidades e teoria social: um olhar weberiano sobre a noção de território. In: MARTINS, Rodrigo Constante (Org.). Ruralidades, trabalho e meio ambiente: diálogos sobre sociabilidades rurais contemporâneas. São Carlos: EduFSCar, 2014, p. 77-96.

MARX, Karl, 1818-1883. O 18 Brumário de Luís Bonaparte/Karl Marx. São Paulo: Boitempo, 2011.

PEREIRA, POTYARA A. P. Necessidades Humanas: subsídios à crítica dos mínimos sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SETTI, Gabriel A. M. Alcances e limites da reforma de Estado e da reforma administrativa no Brasil e na Argentina: um estudo comparativo das experiências de Carlos Menem e Fernando Henrique Cardoso na década de 1990. Brasília: UNB, 2011.

SWEDBERG, Richard. Max Weber e a ideia de sociologia econômica. Rio de Janeiro: EDUFRJ; São Paulo: Beca Produções Culturais, 2005.

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. LTC — Livros Técnicos e Científicos, Editora S.A. Rio de Janeiro, 1979.

___________. Sociologia. São Paulo, Editora Ática; 7. ed., 2003.

______. Max. Conceitos sociológicos fundamentais. Tradutor Artur Morão. Universidade da Beira Interior. Covilhã, 2010.


Texto completo: PDF