Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, SEMINÁRIO DO ICHS – Humanidades em Contexto: desafios contemporâneos (2017)

Tamanho da fonte: 
Os determinantes sociais em saúde: desvelando a deficiência no processo de envelhecimento.
Bianca Martins COSTA, Irenilda Ângela dos SANTOS, Maria Helena Goes CAMPELO

Última alteração: 04-06-18

Resumo


Este artigo faz parte da pesquisa realizada no trabalho de conclusão de curso, desenvolvido em 2016, para obter o título de bacharel em Serviço Social. O estudo teve como objetivo a análise dos Determinantes Sociais da Saúde, como fatores que influenciam nas condições de vida e de saúde dos idosos de forma positiva ou negativa. O estudo respalda-se no modelo de determinação social em saúde proposto por Dahlgren e Whitehead, para melhor apreender os impactos que eles podem causar no cotidiano dos indivíduos. A pesquisa foi bibliográfica, de abordagem qualitativa e numa perspectiva de totalidade. Os resultados demonstram que os determinantes sociais podem provocar problemas de saúde, que se agravam no processo de envelhecimento e resultam em alguma deficiência.


Palavras-chave


Determinantes Sociais da Saúde; Deficiência; Envelhecimento

Referências


BARATA, Rita Barradas. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009.

BRASIL. Lei Orgânica da Saúde – Lei nº 8.080, de 19 de Setembro de 1990. Brasília, 1990. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm>.  Acesso em 21 de setembro de 2017

BRASIL. Estatuto da Pessoa com Deficiência – Lei nº. 13.146, de 6º de Julho de 2015. Brasília: 2015. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>.  Acesso em 28 de setembro de 2017

BUSS, Paulo Marchiori; FILHO, Alberto Pellegrini. A saúde e seus determinantes sociais. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17(1):77-93, 2007.

CNDSS. As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil. / Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. – Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008.

DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo. A nova maneira de se entender o envelhecimento e a deficiência. Texto para discussão nº 1040. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. IPEA. Brasília. 2004.

DUARTE, Luzia Travassos. Envelhecimento: processo biopsicossocial.

(Monografia) 2008. Disponível em: <http://www.psicomundo.com/tiempo/monografias/brasil.htm.  Acesso em 23 de setembro de 2017.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. Saúde e doença como expressão cultural. In A. A. Filho, & M. C. G. B. Moreira (Orgs.). Saúde, trabalho e formação profissional (p. 31-39). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1997.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – OMS. Carta de Ottawa. Canadá, 1986. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_ottawa.pdf. Acesso em: 29 de setembro de 2017.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – OMS. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf. Acesso em: 29 de setembro de 2017.

SALGADO, Marcelo Antônio. Os Grupos e a ação pedagógica do trabalho social com idosos. Rev. A Terceira Idade. Vol. 18, N° 39, São Paulo, 2007.

SANTOS. José Alcides Figueiredo. Classe social e desigualdade de saúde no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais - Vol. 26 N° 75, 2011.

SCLIAR, Moacyr. História do conceito de saúde. Physis [online]. 2007, vol.17, n.1, pp.29-41. ISSN 1809-4481. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100003. Acesso em: 20 de setembro de 2017.

TEIXEIRA, Paulo Fleury. Uma introdução conceitual à determinação social da saúde. Revista Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v.33, n.83, set. /dez. 2009.


Texto completo: PDF